larissa mattos.jpeg

LARISSA MATTOS

Direção Musical:

“A Via Crucis do Corpo” (TU) (2009)

 

"Minha relação como diretora musical do espetáculo foi muito bem recebida. Como se tratava de uma direção musical, e não cênica, não tive nenhum problema relacional com o diretor cênico do espetáculo. O envolvimento com os alunos formandos foi excepcional! Todas as atividades propostas foram muito bem recebidas, o desenvolvimento das ideias musicais e o engrandecimento pessoal foi mútuo e contribuitivo de ambas as partes. 
Acredito que por se tratar de uma arte que tem como seu cerne a liberdade (o fazer teatral) e que prega, acima de tudo, a aceitação e o respeito pelas diferenças, a relação interpessoal e profissional entre todas as partes envolvidas foi muito feliz e respeitosa. Ao contrário de outros ambientes sociais, ou mesmo, outros ambientes artísticos ao qual estou inserida, como por exemplo o ambiente da música erudita. Comparando minhas experiências em ambos os espaços de criação, diferente do teatro, o ambiente da música erudita pode ser altamente desgastante, machista e desrespeitoso. Infelizmente e lamentavelmente, em pleno século XXI esse ainda é o retrato do Brasil no geral e pode ser observado e sentido cotidianamente. Esse machismo estrutural, pré-conceitos sociais, raciais e sexuais já deveríamos ter sido superados há tempos. 
Acredito que todas as artes deveriam existir para libertar, para transmitir posicionamento e acima de tudo desmitificar pré-conceitos, a arte existe para conscientizar. A minha relação com o Teatro Universitário foi completamente satisfatória em todos esses aspectos e fico muito orgulhosa de saber que existem instituições capazes, acima de tudo, de ajudarem no processo de formação de melhores seres humanos, que prezam pela conscientização multilateral. Não se restrigindo somente a torná-los melhores profissionais e artistas.
De bons profissionais todos precisamos, mas de seres humanos críticos, pensantes e envolvidos com a ciência e natureza é o que o mundo precisa para se curar.

Em 2009, fui diretora musical e violoncelista do espetáculo de Teatro "A Via Crucis do Corpo”, em parceria com o diretor geral Alexander de Morais. Neste espetáculo, também atuei como musicista em cena, interagindo com os atores - que na ocasião, eram formandos do curso do T.U. O espetáculo estreou no Espaço Trama de Teatro em dezembro de 2009, em Belo Horizonte.”

 

Larissa Natália Ferreira de Mattos nasceu em Belo Horizonte. Larissa Mattos possui Mestrado em Música/Performance, Bacharelado em violoncelo e estudou composição musical ambos na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), além disso, possui Especialização em Community Leadership, Teaching Artistry e Social Entrepreneurship pelo Global Leaders Program e, como bolsista do Ministero Degli Affari Esteri italiano, aperfeiçoou-se com o violoncelista Antonio Mostacci no Conservatório Giovanni Battista Martini em Bolonha. Larissa venceu cinco competições nacionais e três internacionais, destacando-se: YouTube Symphony Orchestra, se apresentando no Carnegie Hall, Orchestra of the Americas (YOA) - com turnê pelo Caribe - e Global Leaders Program. Atuou como recitalista e camerista com importantes intérpretes e com grupos sinfônicos em inúmeras salas na Itália e Brasil, sendo solista e 1º cello do Bologna Cello Project e da Orquestra do Conservatório de Bolonha. Foi também 2º cello da Orquestra Filarmônica de Goiás, e como convidada, atuou junto ao Theatro Municipal de São Paulo, OEMT, Orquestra de UniNorte/Paraguay, entre outras. Foi Professora Substituta de Violoncelo e Estruturação Musical da Universidade de Brasília (UnB), professora de violoncelo do Instituto Baccarelli em São Paulo, trabalhou para o Neojibá como professora de música e arranjadora da Orquestra de Cordas de Trancoso e lecionou música como voluntária no Haiti, Jamaica, Chile e Washington D.C.Teve arranjos didáticos encomendados por grandes líderes de projetos sociais como Tom Zelle, Richard Young, Jorge Risi e David Evenchick. Compôs trilhas sonoras para teatros e longa-metragem, colaborou com músicos populares e tem vasta experiência com musicais e teatro, destacando-se o Grupo Girau, vencedor de três prêmios no Festival Nacional da Canção de Boa Esperança. É autora do livro "Duos para viola e violoncelo: Um catálogo de obras e a construção da sonoridade do duo na interpretação" publicado pela Paco Editorial e, atualmente, violoncelista do Duo Chordata e do Teatro Nacional Cláudio Santoro em Brasília.

 

Website: https://chordataduo.wixsite.com/violacello

Última atualização: 11/08/2021